terça-feira, 31 de maio de 2011

Poesia Sem Pele em Campina Grande

>

Lau Siqueira lança o Poesia Sem Pele em Campina Grande,  amanhã, dia 1 de junho, às 20h00, na sala 15, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Além do lançamento haverá leitura de poemas. A obra será apresentada pelos poetas Jairo Cézar e Bruno Gaudêncio. Promovem o evento o Núcleo Literário Blecaute e a Revista Blecaute.

Recomendo fortemente o livro, o meu já tem morada na estante, estará sempre ao alcance da mão. Com tempo tento um breve comentário. Como disse noutro momento a obra de Lau instiga e inspira.    

+ em: http://acasocaos.blogspot.com/

segunda-feira, 30 de maio de 2011

poemas de Hildeberto Barbosa Filho


DOMINGO


Aos domingos, 
impossível viajar, 
a não ser por dentro 
dos túneis do tédio.

(Todo domingo é delito!).


RITO


Lavar teus poros 
nas horas nuas 
da última cerimônia.

Beber cristais no suor 
luzindo na pele 
quando tudo cala.

(Arda o amor, 
aniquile-se a falar).


CATARATA


Viganox 
Maxidex 
Cetrolac 
Clarvisol 
Pilocarpina 

Colírio, colírio, colírio 
e os olhos no exílio. 

>
poemas do livro À Sombra do Soneto e Outros Poemas de Hildeberto Barbosa Filho, lançado no último sábado em João Pessoa. 

sábado, 21 de maio de 2011

sarau do CAIXA BAIXA

>
I SARAU POÉTICO DO CAIXA BAIXA

Local: Salão Panorâmico do Estação Ciência, Cabo Branco - João Pessoa - PB.
Data: 25 de maio, às 19h00.
 
participam:
Gustavo Limeira, Betomenezes, Joedson Adriano, Jairo Cézar, Félix Maranganha, Bruno Gaudêncio, Laudelino Menezes, Anna Apolinário, Bruno R. R. Santos, Mirtes Waleska, Raonix, Roberto Denser, Wander Shirukaya, Jô Mendonça Alcoforado, Tiago Lia Fook Braga, Cyelle Carmem e Lau Siqueira
 
<

sexta-feira, 20 de maio de 2011

miradas do dia


vamberto spinelli jr I recife I 2011

  
roupas ordinárias com asas, flagradas fora dos varais-gaiolas em um fim de tarde nublado, quase miserável.  chove quase todos os dias no nordeste do brasil.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Festival Palabra en el Mundo, mayo 2011

>
Recebi de um amigo a programação do V Festival Palabras en el Mundo, mayo 2011. A programação é vastíssima, abarca 33 países e reúne 1.060 ações poéticas, atividades diversas no campo da literatura, em 207 cidades. No Brasil são 5 cidades participantes: Natal, Olinda, Maricá no Rio de Janeiro, São Paulo e Ribeirão Preto. 

dois sítios

LA PAZ:

[Café Cultural Bocaisapo

jueves 19 de mayo, 21 hs
lectura poética
Participación de los poetas: Osmar Filipovich, Alejandro Canedo, Israel Badani, Mariano Ramirez y Jorge Campero, participacion abierta para el que desee leer o decirnos sus cosas

Coordina: Jorge Campero

[Galeria de Arte 21 
24 de mayo, 20 hs
Lectura poética
Poetas participantes: Benjamín Chávez, Edwin Guzmán, Rodolfo Ortíz y Jorge Campero.

Coordina: Jorge Campero


OLINDA:

[Bar, Restaurante e Espaço Cultural Xinxim da Baiana, Carmo


Sexta-feira, 20 de maio, das 20h à meia-noite
Recital de Poesias com S. R. Tuppan & Convidados
Banda: Allen Jerônimo & Rave de Raiz, Forró: Benedito da Macuca, Microfone Aberto, Sorteio de Livros,
Transmissão On Line Ao Vivo

Realização: POÉTICA XXI
Parcerias: Fliporto, Lumo Coletivo, Fora do Eixo Letras


Coordina: S.R.Tuppan - http://altfestolinda.blogspot.com/


<
  

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Lau Siqueira lança POESIA SEM PELE

>
Lau Siqueira lança seu novo livro de poemas na próxima quarta-feira, 18 de maio, na capital paraibana. O livro, chamado POESIA SEM PELE, será lançado dentro da programação da Semana de Luta Antimanicomial no pátio do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, a partir das 20h, e contará com um “Sarau dos Pacientes” e apresentação do Círculo dos Tambores. Há algo de libertário na proposta. Iria se fosse possível.

Lau Siqueira vem construindo uma obra que instiga e inspira. Espero mais este livro com boa expectativa.

Para mais: http://poesia-sim-poesia.blogspot.com/

Deixo um poema de Lau Siqueira do seu livro SEM MEIAS PALAVRAS (2002)


a pele
do motivo

a visão nua
de tuas omoplatas

     tão iguais
     a tantas

esconde alguns rebanhos
da minha tristeza
<

domingo, 15 de maio de 2011

poema do SEM LUGAR


vamberto spinelli jr / la paz / 2011



















>SÃO TODOS


O HOMENAGEADO NÃO VEIO

SERIA DEUS?

DE QUALQUER FORMA
PODE ENTRAR,
SINTA-SE À VONTADE

A CASA
É RUA


vamberto spinelli jr / la paz / 2011



















[poema do SEM LUGAR/2007 e fotos de La Paz, calle Pando, 2011]

sexta-feira, 13 de maio de 2011

poema de ademir assunção

> 5 dias para morrer
                       para hectro babenco


morreremos loucos, Ana

os sapatos
novos
em cima da mala
- mala notte
o dia, a pior
foto: olhos úmidos
no vídeo
flashbacks:
a virilha imunda
do marinheiro
os eletrodos frios
nas têmporas
as pilulas coloridas
peixes
num aquário
cujo vidro
quase se quebra
toda vez
que o tocamos

sim, Ana
morreremos loucos
mas
esta noite
dormiremos
juntos

> poema de ademir assunção recolhido da antologia na virada do século: poesia de invenção no brasil (2002), organizada por cláudio daniel e frederico barbosa. 

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Poema de Donizete Galvão


AS NINFAS


As meninas
florescem em músculos e seios e barrigas lisas,
peles de pêssego
maduras aos olhos da cobiça.

As meninas
são miragens de vitrina,
algodão doce de esquina,
infláveis ao vento a paixão.

Tão voláteis, tão escorregadias.
Basta um toque.
E não resta nada em nossas mãos.

> tradução para o ESPANHOL

LAS NINFAS


Las niñas
florecen en músculos y senos y barrigas lisas,
pieles de melocotón,
maduras a los ojos de la codicia.

Las niñas
son ilusiones de vinilo,
algodón dulce de esquina,
inflables al viento de la pasión.

Tan volátiles, tan resbaladizas.
Basta un toque.
Y no queda nada en las manos.
[tradução: Lorenzo Pelegrin/Paulo Octaviano Terra]
POEMA de DONIZETE GALVÃO encontrado in http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/sao_paulo/donizete_galvao.html

saudade agora é outra!

video
Luis Rico canta Viva mi Patria Bolivia!

Depois de umas quatro horas organizando dados de minha pesquisa, escutando algumas das entrevistas que fiz em El Alto, já quando o cansaço se fazia forte, e o fim de tarde caia entristecendo o mundo, cobrindo mais um dia chuvoso e quente em Recife, fui averiguar minha caixa de email e lá estava mais um convite para um jueves de bocaisapo. Ler aquele email foi um misto de alegria e melancolia, a saudade agora era outra. E não era só abismo, pura melancolia. Ser lembrado tão distante por pessoas que se tornaram tão queridas me levou a uma sensação estranha e nova, para mim ainda talvez indizível com precisão. Como fazia sempre, o amigo Alejandro Canedo convocava os amigos para mais uma agradável noite de quinta-feira regada à boa música, poesia, bom papo e bons “tragos” no bocaisapo, uma antiga casa colonial muito bem preservada que se converteu num bar estilizado encravado no reduto colonial mais bonito da cidade de La Paz. Como sempre a própria convocatória era ela mesma pura poesia e vinha cheia de bom humor. No inicio dessa última Alejandro faz referência ao fato de que na quinta anterior não tinha sido possível o encontro por "tradiciones ajenas", a samana santa. Reproduzo a "convocatória":

[nos debemos
un jueves

truncado fue
el anterior
por tradiciones ajenas
- lejanas, al
menos

exhortamos:
este jueves
será el
primer round
de la celebración
por el 1o. de
mayo

como buenos
desempleados,
freelancers desdentados
-por roer las
horas de
corrosiva
sobriedad
matutina-

suscribamos la convocatoria con sed

convoca: Comité Permanente por la Reconstitución de la Internacional Hedonista
borrachos del mundo, uníos!
]


A “saudade” agora não tem nada de tristeza, sempre que bate à porta, vem com a delicadeza de um sopro frio em fim de tarde, e traz na bagagem algo de alegria, uma alegria que resulta da certeza de que agora existe uma casa a mais para se visitar, habitada por pessoas com a estatura da poesia mais delicada e violenta, que vivem tão alto quanto o céu (nos seus 3600-4000 metros acima do mar) e com as quais tenho um sentimento de profunda gratidão e amizade, por ter possibilitado dentre outras coisa, um reencontro com a poesia, com a poesia-vida. Há um continente novo em meu peito depois de La Paz e El Alto.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

homenagem a Ernesto Sabato


[Homenagem de Allan Macdonald ao escritor argentino Ernesto Sabato, no portal Rebelión. Sabato faleceu sábado aos 99 anos]